Gastos de hóspedes representam 5,6% da atividade turística brasileira

Principais Informações

  • Durante as estadias em acomodações disponíveis no Airbnb em 2021, os gastos de hóspedes representaram 5,6% de toda a atividade turística direta do Brasil no ano
  • Levantamento da Oxford Economics mostra o impacto da plataforma na economia do país

Principais Informações

  • Durante as estadias em acomodações disponíveis no Airbnb em 2021, os gastos de hóspedes representaram 5,6% de toda a atividade turística direta do Brasil no ano
  • Levantamento da Oxford Economics mostra o impacto da plataforma na economia do país

Com a melhora do cenário da pandemia, o turismo voltou a crescer em 2021. Um novo relatório da Oxford Economics, realizado a pedido do Airbnb, demonstra como a atividade da plataforma impulsiona a recuperação do turismo no Brasil, gerando grande impacto na economia e movimentando uma parte significativa do setor. Durante as estadias em acomodações disponíveis no Airbnb em 2021, os gastos de hóspedes representaram 5,6% de toda a atividade turística direta do Brasil no ano. No total, foram 4 bilhões de dólares. 

O Airbnb está comprometido a apoiar o crescimento econômico no Brasil, ajudando as pessoas a participar ativamente da economia do turismo ao se tornarem anfitriões na plataforma em destinos novos e diversos, além do circuito turístico tradicional. É uma oportunidade para donos de imóveis obterem renda extra com praticidade e segurança. Os anfitriões que disponibilizam na plataforma espaços inteiros, ou mesmo um quarto, mantêm na comunidade em que estão inseridos até 97% do que cobram por sua acomodação.

Estimulando empregos e renda no turismo como em outros segmentos, além de oportunidades para proprietários de imóveis, a atividade exercida por meio do Airbnb beneficia amplamente o Brasil, segundo as principais descobertas do relatório da Oxford Economics em relação a 2021:

  • Os gastos de hóspedes que fizeram reservas por meio da plataforma apoiaram diretamente 1,9 bilhão de dólares do Produto Interno Bruto (PIB) nacional e 101 mil empregos no Brasil, gerando 1,1 bilhão de dólares em remunerações, salários e outros. 
  • Para cada 10 dólares gastos em acomodações, os hóspedes desembolsam 52 dólares adicionais em outros negócios durante a viagem, em segmentos que vão além do turismo, como entretenimento, restaurantes, lojas e transporte.
  • Em 2021, o número de check-ins de hóspedes cresceu 2,9 milhões em relação a 2019. Esse aumento possibilitou que a comunidade do Airbnb apoiasse diretamente 44 mil empregos a mais e 624,2 milhões de dólares adicionais no PIB em 2021 em relação a 2019.
  • 54% dos anfitriões no Airbnb, no Brasil, se identificaram como mulheres.

Atividades econômicas diretamente estimuladas por hóspedes em acomodações no Airbnb ajudaram a apoiar a recuperação do turismo no Brasil. “O Airbnb é uma parte importante da retomada do turismo no Brasil e trabalha continuamente para trazer mais oportunidades para a economia local e aos anfitriões, além de possibilitar que os hóspedes tenham uma conexão mais autêntica com as comunidades. Este levantamento mostra a importância da atividade feita pelo Airbnb e a quantidade de pessoas impactadas pela atividade, não só no turismo”, avalia Flavia Matos, diretora de relações institucionais e governamentais do Airbnb para a América Latina.

Esse impacto econômico positivo é fomentado por milhares de anfitriões no Airbnb que recebem hóspedes em destinos em todo o país, inclusive em cidades e bairros que normalmente não se beneficiavam do turismo.

A história da anfitriã Aline Menezes

A Aline é de Porto Alegre (RS), e trabalhou por anos como professora acadêmica, mas, em 2019, perdeu o emprego. Com o cenário da pandemia, a busca por uma oportunidade de recolocação no mercado ficou ainda mais difícil. Foi quando ela decidiu anunciar um imóvel da família no Airbnb e as oportunidades começaram a chegar. Em maio de 2021, Aline anunciou o primeiro imóvel. Em setembro de 2022, ela já é responsável pela administração de oito, indo para dez, entre seu imóvel próprio e apartamentos de outros proprietários que contam com a Aline para a gestão do serviço, desde as fotos para o anúncio, comunicação com hóspedes, controle da equipe de limpeza e demais necessidades do imóvel. Além disso, Aline realiza o controle do fluxo financeiro e acompanhamento do índice de satisfação dos hóspedes de cada imóvel. São imóveis que, como conta a Aline, estavam parados por meses e alguns até por anos até que os proprietários a encontraram e através do Airbnb visualizaram uma oportunidade para obter renda.

“Eu mudei radicalmente de profissão. Minha vida mudou graças ao Airbnb, que hoje é a ferramenta pela qual consigo minha única fonte de renda. Além de tudo, consigo gerar renda não apenas para mim, mas para mais de dez famílias que trabalham comigo, com limpeza, hidráulica e elétrica, por exemplo. Nesse período, nenhum proprietário desistiu ou mudou de ideia, todos continuam na plataforma. Realmente é algo que beneficia muitas pessoas.  Hoje me apresento como gestora de locação temporária e não tenho intenção de voltar à minha antiga profissão”, diz a anfitriã e superhost, Aline Menezes.

O Airbnb continua comprometido a apoiar a economia brasileira, anfitriões como a Aline, e a democratização e redistribuição do turismo no país. Anfitriões na plataforma costumam recomendar comércios e atividades locais, contribuindo para uma experiência de viver como os locais e gerando impacto econômico positivo significativo, promovendo, assim, uma experiência de viagem e turismo que é boa para anfitriões, hóspedes e comunidades locais.

Metodologia de pesquisa

A Oxford Economics analisou o impacto econômico da comunidade do Airbnb no Brasil.

Para efeitos desta análise, os gastos dos hóspedes que realizam reservas por meio do Airbnb referem-se a todos os gastos de viagem, exceto acomodações, também referidos como ganhos de anfitriões. Ele inclui gastos no destino, como restaurantes, compras e entretenimento, bem como transporte local e transporte de e para o destino.

A análise baseia-se em uma combinação de dados de atividade de hóspedes e dados de pesquisas de hóspedes fornecidos pelo Airbnb e em estimativas da Oxford Economics sobre o impacto econômico direto do turismo, em termos de PIB, empregos e renda.

A Oxford Economics preparou estimativas baseadas em modelos para padronizar e ampliar as estimativas de gastos dos hóspedes, por exemplo, para incluir gastos com transporte para/do destino, e calculou as principais relações de impacto com base nas relações previamente estimadas entre turismo e atividade econômica.

A análise foca nos impactos diretos, que consistem em gastos de hóspedes (excluindo acomodações ou ganhos de anfitriões) e o PIB, emprego e renda diretamente suportados por esses gastos. Os impactos diretos quantificados nesta análise excluem importantes efeitos multiplicadores, como impactos indiretos na cadeia de fornecimento que ocorrem à medida que as empresas que atendem diretamente aos visitantes compram insumos de outros negócios.