Lisboa, entre destinos que colaboram à Airbnb para atrair nómadas digitais

Conclusões Chave

  • A Airbnb irá trabalhar para promover uma seleção de destinos mundiais atrativos para quem decidiu trabalhar remotamente.
  • O programa inclui a criação de hubs com informação local para ajudar aqueles que procuram tornar-se nómadas digitais nesses locais.
  • O portal de recrutamento da Airbnb recebeu mais de um milhão de visitantes em apenas uma semana após a empresa ter anunciado a sua política de trabalho flexível.

Conclusões Chave

  • A Airbnb irá trabalhar para promover uma seleção de destinos mundiais atrativos para quem decidiu trabalhar remotamente.
  • O programa inclui a criação de hubs com informação local para ajudar aqueles que procuram tornar-se nómadas digitais nesses locais.
  • O portal de recrutamento da Airbnb recebeu mais de um milhão de visitantes em apenas uma semana após a empresa ter anunciado a sua política de trabalho flexível.

A Airbnb anunciou hoje que irá colaborar com 20 destinos em todo o mundo para tornar mais fácil viver e trabalhar a partir de qualquer lugar, incluindo Lisboa, as Ilhas Canárias, Bali, Caraíbas, entre outros.

No início do ano, a Airbnb apresentou a sua iniciativa para viver e trabalhar a partir de qualquer lugar, para identificar alguns dos destinos que oferecem as melhores condições para quem trabalha remotamente. A presença deste tipo de viajante, que permanece mais tempo no destino e se integra mais estreitamente com a realidade local, gera oportunidades económicas para as comunidades locais, e tornar esses destinos atrativos faz parte dos objetivos de alguns governos e organizações de promoção do turismo. 

Lisboa está entre o grupo restrito de 20 destinos que a Airbnb irá destacar entre a comunidade de nómadas digitais, não só pelo seu clima e localização geográfica, mas também pela sua vasta gama de serviços, redes de ligação de transportes, ofertas culturais e de lazer e variedade de opções de alojamento.

  • Baía de Tampa, EUA
  • Baixa Califórnia do Sul, México
  • Bali, Indonésia 
  • Brindisi, Puglia, Itália  
  • Buenos Aires, Argentina
  • Caraíbas
  • Cidade do Cabo, África do Sul
  • Cidade do México, México
  • Colômbia
  • Dubai, Emirados Árabes Unidos
  • França Rural
  • Friul-Veneza Júlia​, Itália
  • Ilhas Canárias, Espanha
  • Lisboa, Portugal 
  • Malta
  • Palm Springs, EUA
  • Queensland, Austrália
  • Salzkammergut, Áustria
  • Tailândia
  • Tulsa, Oklahoma, EUA

Nos próximos meses, a Airbnb trabalhará em estreita colaboração com cada uma destas organizações para criar hubs de informação especializados para ajudar a destacar os melhores alojamentos locais para estadias de longa duração, bem como informação relevante sobre requisitos de entrada e políticas fiscais. A Airbnb irá também colaborar com destinos em campanhas de sensibilização que promovam um comportamento responsável entre os anfitriões e os nómadas digitais. Espera-se que estes hubs estejam operacionais até ao final do ano.

Os destinos que fazem parte deste programa variam de países inteiros a pequenas povoações e cidades pouco conhecidas, e foram selecionados com base no seu interesse em atrair nómadas digitais e nas suas políticas proativas para quem procura viver e trabalhar num local diferente.

A Airbnb tem vindo a trabalhar com centenas de governos em todo o mundo e faz parcerias com cidades e comunidades locais. No final de 2021, a plataforma anunciou uma série de iniciativas para apoiar a recuperação das viagens e fomentar um turismo mais sustentável. Em Portugal, anunciou a distribuição do guia Bem-Vindo a Lisboa, a implementação de um programa de controlo de ruído, a implementação da Linha de Apoio ao Bairro e o lançamento da Tecnologia de Reservas de Alto Risco para ajudar a combater as festas perturbadoras e outros distúrbios para a vizinhança.

Além disso, a plataforma lançou ainda o Portal da Cidade em Lisboa, a primeira ferramenta da indústria para apoiar as autoridades turísticas da cidade com dados sobre os bairros. Esta ferramenta ajuda os municípios a acompanhar a mudança dos padrões de viagem e manter ainda mais a economia gerada pelo turismo na plataforma. Ao trabalhar em conjunto com as cidades para reequilibrar as viagens, a Airbnb pode ajudar os anfitriões locais a partilhar responsavelmente as suas casas, abraçar a revolução das viagens e assegurar que os benefícios económicos das viagens sejam verdadeiramente vantajosos para todos.

Esta iniciativa assenta no trabalho realizado durante a pandemia, quando a Airbnb colaborou com mais de 160 governos e organizações de promoção do turismo para apoiar especificamente o regresso das viagens – também através do trabalho remoto – às suas comunidades, incluindo Málaga Costa del Sol, Buenos Aires e a Associação de Presidentes de Câmara Rurais de França.

Milhões de pessoas têm agora mais flexibilidade para decidir onde viver e trabalhar. Como resultado disso, estão a espalhar-se por milhares de vilas e cidades, permanecendo durante semanas, meses ou mesmo estações inteiras. Aproximadamente um em cada cinco hóspedes alegou utilizar a plataforma da Airbnb para trabalhar remotamente enquanto viajava em 2021, uma tendência que se manteve até ao 1º trimestre de 2022, com estadias de longa duração a atingir um pico: mais do dobro desde o 1º trimestre de 2019. Essencialmente, estão “a viver” em alojamentos disponíveis através da Airbnb, e os hóspedes já planearam estadias em mais de 72.000 cidades e vilas este verão. Nos primeiros três meses de 2022, a procura de viagens internacionais de uma pessoa em Portugal, para estadias de longa duração, cresceu mais de 180% em comparação com o mesmo período em 2019.

Um estudo realizado pela Escola de Negócios de Harvard mostrou que, embora seja claro que os nómadas digitais, e os trabalhadores remotos em geral, podem ser um enorme impulso para qualquer economia, podem também estar a desempenhar um papel essencial na promoção do empreendedorismo entre as comunidades em que estão alojados, criando núcleos tecnológicos em todo o mundo.

Na sequência da pandemia, surgiu uma nova forma de conjugar vida profissional e viagens, com muitos trabalhadores a já não terem de estar presentes nos seus escritórios a tempo inteiro. Ao estabelecer parcerias com destinos como Lisboa e as Ilhas Canárias, queremos ajudar as pessoas a desfrutar desta flexibilidade e apoiar o regresso das viagens de uma forma segura e responsável, ao mesmo tempo que geramos novas oportunidades económicas para as comunidades locais e distribuímos talentos por todo o mundo.

Mónica Casañas, directora general de Airbnb Marketing Services SL

O nómada digital é um trabalhador remoto que está cada vez mais a utilizar o alojamento local para as suas estadias, porém este mercado tem um perfil muito específico e algumas necessidades especiais. No webinar em colaboração com a Airbnb, vou partilhar tudo o que os nómades digitais procuram no alojamento local, o seu perfil e como providenciar uma experiência única a este mercado.

Gonçalo Hall, embaixador do trabalho remoto, nómada digital e CEO da NomadX, uma das maiores comunidades de nómadas digitais do mundo com comunidades físicas na Madeira, Cabo Verde e Lisboa.

Esta notícia segue-se ao anúncio da política de trabalho remoto da Airbnb, quando o co-fundador e CEO, Brian Chesky, disse aos colaboradores da empresa que podiam trabalhar a partir de qualquer lugar. Na primeira semana após o anúncio, o portal de recrutamento da Airbnb recebeu mais de um milhão de visitantes, um facto que reforça o interesse das pessoas em viver e trabalhar a partir de qualquer lugar.

Além disso, no próximo mês, os participantes do programa “Viver em qualquer lugar” chegarão ao fim da sua aventura de viver durante um ano em alojamentos na plataforma, depois de visitarem quase 80 lugares em todo o mundo, desde a Escócia até ao Sri Lanka, Lisboa ou Coreia do Sul.

  1. Cidades e cidades que esperam receber hóspedes entre 1 de Junho e 31 de Agosto de 2022, com base em dados extraídos até 29 de Abril de 2022. 
  2. Crescimento percentual na procura de viagens internacionais por viajantes solteiros que procuram estadias de longa duração (28 noites ou mais) entre 1 de Janeiro de 2019 e 31 de Maio de 2019 vs. 1 de Janeiro de 2022 e 31 de Maio de 2022.